Os militares ucranianos são realmente um Davi contra o Golias russo?


À medida que as tensões aumentam, as memórias do exército russo dominando rapidamente os militares ucranianos durante a anexação da Crimeia em 2014 ressurgiram. Mas a Ucrânia melhorou significativamente suas capacidades de defesa – com uma grande ajuda dos países da OTAN.

A Grã-Bretanha acrescentou mais pressão concreta nesta semana quando anunciou que estava enviando equipamentos militares à Ucrânia, principalmente mísseis antitanque de curto alcance para autodefesa. Já os EUA deram luz verde para as nações bálticas da Estônia, Letônia e Lituânia enviarem armas fabricadas pelos EUA para a Ucrânia. O ministro da Defesa da Lituânia, Arvydas Anusauskas, confirmou que seu país está enviando defesa e outras ajudas à Ucrânia em uma tentativa de impedir um ataque russo. 

+ Presidente ucraniano supervisiona exercícios militares diante de observadores da Otan

No ano passado, o governo de Biden aprovou a transferência de US$ 650 milhões em armas dos EUA para a Ucrânia, US$ 200 milhões apenas em dezembro de 2021. Há pouca dúvida de que a Ucrânia está aumentando seu arsenal em caso de um ataque russo.

Mas os militares ucranianos podem realmente se opor a uma força russa composta por centenas de milhares de tropas terrestres, além de tanques, equipados com mísseis de curto alcance e apoiados por forças navais e aéreas?

Um ‘despertar rude para Kiev’

Em 2014, durante a anexação da Crimeia, os soldados russos passaram facilmente pelas defesas ucranianas. Naquela época, “o exército ucraniano estava em um estado bastante desastroso”. “Os eventos de 2014-2015 foram um rude despertar para Kiev, que então embarcou em grandes reformas militares”, explicou Nicolo Fasola, especialista em questões de segurança nos antigos territórios soviéticos da Universidade de Birmingham, em entrevista à FRANCE 24.

Foi um esforço que inicialmente funcionou. O exército ucraniano cresceu de cerca de 6.000 soldados prontos para o combate para quase 150.000, de acordo com um resumo do Serviço de Pesquisa do Congresso dos EUA realizado em junho de 2021.

Os esforços financeiros de Kiev para modernizar suas forças armadas nos últimos sete anos foram significativos. A parcela do orçamento nacional destinada às despesas militares aumentou de 1,5% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2014 para mais de 4,1% em 2020, segundo dados do Banco Mundial . Essa parcela dos gastos com defesa é maior do que a maioria dos países da OTAN e semelhante aos gastos militares da Rússia.

Mísseis antitanque dos EUA e drones turcos

Além disso, a Ucrânia não está mais sozinha contra a Rússia. Desde 2014, a OTAN como organização, bem como alguns países membros “forneciam uma ajuda considerável, que equivale a cerca de US$ 14 bilhões”, estimou Fasola.

Os EUA têm sido o principal fornecedor de equipamentos militares, como equipamentos de rádio, caminhões de transporte militar e mais de 200 mísseis antitanque portáteis Javelin. Grã-Bretanha, Polônia e Lituânia também forneceram à Ucrânia armas defensivas.

Até a Turquia ajudou a Ucrânia vendendo seus famosos drones Bayraktar TB2. “Embora as armas fornecidas pelos EUA, como os mísseis antitanque Javelin, tenham conquistado a maioria das manchetes do arsenal da Ucrânia, o apoio menos sensacionalista de Kiev da Turquia levantou alarmes em Moscou”, observou o Washington Post no fim de semana.

O uso dos drones Bayraktar TB2 na Líbia, Síria e especialmente no conflito de Nagorno-Karabakh de 2020 entre o Azerbaijão e a Armênia realmente ganhou manchetes. Mas Friedrich observa que, embora “é verdade que essas máquinas se mostraram decisivas no conflito de Nagorno-Karabakh, é difícil saber que impacto elas poderiam ter em um possível conflito com a Rússia, já que a configuração é muito diferente”.

Tropas treinadas e motivadas abandonam o legado soviético

A modernização militar da Ucrânia não é apenas quantitativa ou restrita ao hardware material. “Houve um enorme progresso em termos de treinamento e preparação para o combate”, disse Gustav Gressel, especialista em questões militares russas do Conselho Europeu de Relações Exteriores, em entrevista à FRANCE 24.

De acordo com Gressel, uma das principais fraquezas do sistema de defesa ucraniano veio das doutrinas militares que foram desenvolvidas durante a era soviética. “Moscou, portanto, sabia perfeitamente o que esperar e poderia se preparar de acordo”, explicou.

O legado de defesa soviético destaca a importância do treinamento militar fornecido por instrutores da OTAN em bases ucranianas, como o centro de treinamento do Serviço de Lei e Ordem Militar (MLOS), estabelecido perto da cidade ucraniana ocidental de Lviv, perto da fronteira polonesa. “Isso permitiu que oficiais e soldados desaprendessem velhos reflexos que são previsíveis para Moscou”, disse Gressel.

Outro ativo do exército ucraniano vem de seus soldados. “A maioria deles se alistou em 2014-2015. Portanto, é um ato voluntário para defender a pátria, o que significa que eles são altamente motivados e têm alto moral”, disse Glen Grant – analista sênior da Baltic Security Foundation que trabalhou na Ucrânia em a reforma militar do país, em entrevista à FRANCE 24. “Entre os mísseis Javelin, os drones e o moral das tropas, o exército ucraniano tornou-se um oponente formidável”, acrescentou.

Isso é particularmente verdadeiro na região leste de Donbass, onde as tropas ucranianas ganharam experiência em um conflito que dura mais de sete anos contra separatistas apoiados pela Rússia.

A vantagem aérea da Rússia

Mas para a Ucrânia, a situação no Donbass é de dois gumes. “É um conflito de baixa intensidade, muito próximo da guerrilha, e isso levou o Ocidente e Kiev a se concentrarem em doutrinas militares e equipamentos adequados para esse tipo de confronto, enquanto no caso de um ataque da Rússia, provavelmente será muito diferente”, disse Fasola.

Em termos concretos, por exemplo, “os americanos forneceram rifles de precisão ao exército ucraniano para combater a Rússia, que usa o Donbass como campo de treinamento para seus próprios atiradores”, observou Gressel. Mas esse tipo de arma não será de muita utilidade contra os tanques russos que cruzam a fronteira.

Especialistas militares acreditam que a modernização da força aérea da Ucrânia tem sido marginal e a aviação continua sendo o ponto fraco da capacidade de defesa da Ucrânia. A maioria dos bombardeiros e caças do país tem mais de 30 anos, e os pilotos são mal treinados e mal pagos. “É por isso que, se a Rússia decidir atacar e usar seus aviões corretamente, o apoio aéreo deve rapidamente dar a eles uma vantagem decisiva, apesar de toda a modernização do exército ucraniano”, disse Gressel.

Avaliando a ‘relação custo-benefício de uma ofensiva’

Se a Rússia decidir invadir, Friedrich reconhece que “será muito difícil para a Ucrânia e seus aliados manterem um equilíbrio de poder”.

Mas à medida que a agitação sobre a Ucrânia ganha ritmo, entregas militares, como os mísseis antitanque britânicos, podem desempenhar um papel importante, de acordo com Dumitru Minzarari, especialista em Europa Oriental do Instituto Alemão de Assuntos Internacionais. “Eles têm valor estratégico e material”, disse Minzarari em entrevista à FRANCE 24″, explicou.

Além disso, “o exército ucraniano pode infligir danos adicionais às forças invasoras russas com este equipamento, o que pode ter um efeito dissuasor. As armas antitanque fornecidas pelo Reino Unido são uma boa ilustração disso: qualquer ofensiva russa envolverá inevitavelmente blindados manobras de veículos, e se a Ucrânia tiver armamento moderno para combatê-las, isso pode levar Moscou a reconsiderar sua avaliação da relação custo-benefício de uma ofensiva”, concluiu Minzarari.

É por isso que Grant, da Baltic Security Foundation, acredita que é importante fornecer ao exército ucraniano “tudo que possa fortalecer a mobilidade e a resistência das brigadas, como ambulâncias, veículos de transporte, rádios. “Porque quanto mais tempo a Ucrânia puder fazer a luta durar, mais sangrento será para a Rússia, o que será ainda mais dissuasivo”, disse ele.


Saiba mais

+ Ômicron: Sintoma inesperado da infecção em crianças preocupa equipes médicas
+ Vendedores do Mercadão de SP ameaçam clientes com golpe da fruta
+ Vídeo: Mãe é atacada nas redes sociais ao usar roupa justa para levar filho à escola
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ ‘Ictiossauro-monstro’ é descoberto na Colômbia
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua






Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.

+ 5 = 12